"Desde seu surgimento, nos anos 50, o rock 'n' roll é relacionado ao ocultismo, termo que abarca desde rituais pagãos até adoração pelo diabo!....Leia mais >>>

"A Besta do Abismo também pretende imitar o acontecimento que ocorreu durante a ressurreição do Senhor .....Leia mais >>>

"A vinda do anticristo não ocorrerá sem sinais que antecedam tal fato. Além das profecias alusivas a este personagem....Leia mais >>>

"A palavra "arcanjo" ocorre em apenas dois versículos na Bíblia"....Leia mais >>>

"Elas foram construídas há mais de 2500 anos e resistem até hoje"...Leia mais >>>

Pages

PESQUISA INDICA QUE AS MULHERES CREEM MAIS NO DIABO QUE OS HOMENS

Pesquisa indica que mulheres creem mais no diabo que os homens
A maioria das pessoas que vivem na civilização ocidental acreditam no diabo, especialmente as que vêm da tradição cristã. Mas esse percentual está em declínio nos últimos anos na Europa e nos EUA. Pesquisas recentes apontam que apenas 25% de muçulmanos e 17% dos judeus creem na existência de espíritos do mal.
Uma nova pesquisa sobre a existência de espíritos malignos indica que as mulheres tendem a crer mais que os homens. Os dados divulgados pelo Instituto YouGov considerou a opinião de 1000 americanos maiores de 18 anos.
As principais questões foram:
Você, pessoalmente, acredita na existência do diabo?
Sim – 57%
Não – 28%
Não sei – 15%

Você acredita que alguém pode ser possuído pelo diabo ou algum espírito maligno?
Sim – 51%
Não – 28%
Não sei – 20%

Com que frequência você acha que as pessoas são possuídas?
Com muita frequência – 6%
Com alguma frequência – 9%
Ocasionalmente – 29%
Raramente – 45%
Nunca – 11%

Algumas igrejas fazem orações para livrar as pessoas da ação de demônios. Você acredita no poder de ‘exorcismo’ (ou ‘libertação’)?
Sim, eu acredito – 46%
Não acredito – 19%
Não sei – 36%

Após cruzar os dados, alguns aspectos chamam atenção. Um percentual maior de mulheres (61%) do que de homens (53%) acreditam na existência do diabo. Também é maior a crença delas (42%) do que deles (50%) na libertação através da oração. No quesito religioso, a crença é maior entre os evangélicos (86%) que os católicos (66%).
A idade também influencia bastante. Entre os mais jovens (18-29 anos), 50% acreditam, 29% disseram ‘não’ e 21% não sabem. As pessoas com mais de 65 anos tiveram percentuais diferentes: 59% (sim), 28% (não) e 13% (não sabem).
No Brasil, pesquisas desse tipo não ocorrem com muita frequência. A última consulta nacional sobre o assunto é de 2007. O Instituto Datafolha divulgou que 75% dos brasileiros acreditavam na existência do Diabo, 15% diziam não acreditar e 9% respondeu que não sabia. 

Entre os evangélicos a taxa dos que diziam acreditar no Diabo era de 95%, não acreditava 4% e não sabia 1%. Entre os católicos, 73% (sim) 11% (não sabe) e 16 % (não). Para os espíritas, a taxa dos que não acreditam (50%) supera a dos que acreditam (44%), os que diziam não saber totalizam 6%.
É interessante pensar no que disse o escritor e teólogo inglês CS Lewis: “Há dois erros perigosos que os seres humanos podem cometer quanto ao diabo e seus demônios. Um é não acreditar em sua existência. O outro é acreditar que eles existem e ter um interesse excessivo pelo assunto.”

AULA DE TEOLOGIA 29 - O LIVRO DE RUTE

SABEMOS ONDE ESTÁ A ARCA DA ALIANÇA, REVELA RABINO

Sabemos onde está a Arca da Aliança, revela rabino
O rabino Chaim Richman é um dos mais influentes hoje em dia por causa de seu projeto de reconstrução do Terceiro Templo, que deverá ser erguido no seu local original. Em uma longa reportagem feita pelo jornal inglês The Telegraph, ele revelou alguns de seus segredos. 

Em uma das salas onde estão guardadas as peças principais do novo Templo, repousa a Arca da Aliança. “Esta não é a verdadeira arca perdida”, diz ele ao repórter. ”Ela está escondida a cerca de um quilômetro daqui, em câmaras subterrâneas cavadas ainda nos dias de Salomão”.

Ele vai mais além “É verdade. Os judeus têm uma cadeia ininterrupta de informações gravadas e transmitidas de geração em geração, indicando a sua localização exata. Há um grande fascínio com a descoberta da arca perdida, mas ninguém pergunta aos judeus. Nós sabemos onde ela está há milhares de anos. Poderíamos escavá-la no alto do Monte do Templo [Moriá], mas essa área ainda é controlada pelos muçulmanos”.
Richman, 54, é o responsável pelo Instituto do Templo, organização que já fez todos os preparativos para sua reconstrução, incluindo as peças que seguem as orientações da Bíblia e o treinamento dos sacerdotes que servirão ali dia e noite.  Para muitos ele seria hoje o candidato mais forte a sumo-sacerdote, retomando a tradição que iniciou com Arão, o irmão de Moisés.
Contudo, o novo templo terá algumas diferenças do original. Não no projeto arquitetônico, mas na utilização de tecnologia de ponta. O rabino, por exemplo, usa em seu smartphone um aplicativo especialmente projetado para acender as luzes e abrir as cortinas.  Ele também já tem pronto o projeto de um monotrilho, para transportar os visitantes até a porta. Uma caixa d’agua totalmente informatizada para controlar o uso de um bem tão precioso em Israel.  Richman explica que basta um toque e a torneira vai liberar a quantidade exata de água estipulada pela lei judaica para as lavagens rituais.
maquete do templo Sabemos onde está a Arca da Aliança, revela rabino
Projeto do Terceiro Templo.
“Não há razão alguma para não usarmos a tecnologia, que é um milagre moderno, juntamente com os milagres celestiais. É parte da nossa visão [do templo] levando em conta a realidade de nosso tempo. Tenho certeza de termos elevadores de última geração e um moderno sistema de controle do estacionamento”, comemora.
Outro motivo de orgulho para o Instituto do Templo são todos os utensílios sagrados já prontos. As vestes do sumo-sacerdote, feitas estritamente segundo a tradição dos levitas, estão prontas. Incluindo as peças de ouro e o peitoral com 12 pedras preciosas. Seu custo foi estimado em quase 450 mil reais. [€ 160.000]. Há também trombetas de prata e harpas de madeira, bandejas para coletar o sangue dos sacrifícios, um incensário e a mesa onde fica o pão ritual. Lá fora,  repousa um candelabro cuidadosamente esculpido, com 90 kg de ouro e pesando 1,5 tonelada. Seu custo aproximado foi 3 milhões de reais [€ 1,4 mi].
Os 20 estudiosos do Talmude, que trabalham para o Instituto em tempo integral, elaboraram em detalhes todos os procedimentos seguindo as leis elaboradas cerca de 3.000 anos atrás. O Instituto liderado por Richman afirma que gastou mais de 30 milhões de dólares até o momento. Já se passaram 22 anos desde sua fundação. Aberto ao público, eles calculam que mais de um milhão de pessoas visitaram o local na última década.
Há uma expectativa crescente em Israel pela reedificação do Templo, garante ele. Mas ao mesmo tempo um temor quanto aos extremistas israelenses. Em 1984, um plano do grupo Jewish Underground para explodir o Domo da Rocha foi descoberto pela polícia. Outros palestinos acreditam que a ameaça vem do próprio governo israelense. Já no ano 2000, quando então líder da oposição, Ariel Sharon, visitou o local para enfatizar o controle de Israel sobre a área, iniciou-se a segunda intifada, na qual morreram 1.000 israelenses e 3.000 palestinos.
Nos últimos dois anos, uma série de líderes  políticos e religiosos vem lutando para reconquistar o direito dos judeus orarem livremente no Monte do Templo. As tentativas têm gerado conflitos entre árabes e judeus, quase sempre com a intervenção da polícia.
Os líderes palestinos tem acompanhado de perto a situação. “[O desejo judeu é] totalmente inaceitável, e poderia transformar a região em um barril de pólvora”, disse em maio o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas.  O Sheikh Mohamad Hussein, o Grande Mufti de Jerusalém foi mais enfático: ”Os muçulmanos na Palestina e em outros lugares do mundo nunca aceitarão essa provocação e vamos impedir isso… Esta é a linha vermelha final para nós. Os israelenses e o mundo devem escutar atentamente o que estou dizendo”.
No entanto, mesmo entre a comunidade religiosa judaica, há quem se oponha.  Michael Melchior, um rabino ortodoxo e ex-membro do Parlamento, considera Richman e sua organização “irresponsáveis”. “No momento em que você anuncia que deseja construir um templo, perturba o equilíbrio delicado que nós criamos aqui”.
Porém, muitos questionam as afirmações do Instituto do Templo, e receiam que uma guerra contra os muçulmanos que juram defender até a morte o Domo da Rocha e a mesquita de Al Aqsa, atualmente no local do Templo.  Sobre a localização da Arca da Aliança, Shimon Gibson, um arqueólogo renomado do Instituto Albright, em Israel, defende que a Arca foi destruída em 587 a.C. quando os babilônios saquearam Jerusalém e tiraram todo o ouro que estava no templo, derretendo todos os utensílios. 
Outros estudiosos acreditam que ela foi levada para a África. Uma antiga reivindicação dos cristãos ortodoxos da Etiópia defende que eles são os guardiões da Arca há séculos. Até hoje ela estaria na cidade de Aksum, na conhecida “Capela das Tábuas da Lei” .
As muitas tradições religiosas sobre o local prevalecem entre os judeus mais ortodoxos, e também a confiança nas profecias bíblicas que o Templo voltará ser erguido.  Desde a destruição do Segundo Templo, no ano 70, o acesso dos judeus foi severamente restringido ou mesmo proibido por governantes cristãos e islâmicos que governaram Israel.
“Trata-se do território de Deus. O Islã aproveitou nosso exílio e se apoderou do Monte do Templo e diz que os judeus nunca estiveram aqui”, lamenta Richman. “Estamos prontos para restaurar este lugar à sua antiga glória… temos condições de construir o templo se realmente quisermos! Deus deve estar se perguntando o que estamos esperando”.

HOMEM-BOMBA MATA MAIS DE 80 CRISTÃOS DURANTE CULTO NO PAQUISTÃO

Homem-bomba mata mais de 80 cristãos durante culto no Paquistão
Neste domingo (22), ocorreu um dos ataques mais violentos contra os cristãos no Paquistão nos últimos 70 anos. O cristianismo reúne cerca de 2% dos 180 milhões de habitantes do país. Especialistas acreditam que é mais uma ação coordenada pela Al Qaeda, que no sábado usou guerrilheiros somalis para invadir um shopping não Quênia, visando justamente os cristãos.
Como resultado, homens-bomba invadiram o culto em uma igreja cristã em Peshawar, norte do Paquistão, resultando em 81 mortos e 131 feridos. Entre as vítimas fatais estavam 37 mulheres e um número não divulgado de crianças. A igreja evangélica fazia parte de uma das oito dioceses da igreja cristã do Paquistão, formada em 1970 como resultado da união entre luteranos, presbiterianos, metodistas e anglicanos. O templo da All Saints Church foi construído em 1883, quando a região ainda pertencia à Índia, sendo um dos mais antigos lugares de culto cristão no país.
Segundo investigações preliminares, um homem detonou mais de 16 quilos de explosivos enquanto mais de 500 fieis saiam da celebração para receber um almoço grátis na frente do templo. Testemunhas disseram ter ouvido duas explosões, sendo a segunda mais forte . “Houve explosões e foi o inferno para todos nós”, disse Nazir John, que estava na igreja. “Quando recuperei a consciência, não vi nada além de fumaça, poeira, sangue e as pessoas gritando. Vi também membros decepados e sangue por toda parte.” Até o momento trabalha-se com a teoria de que foi um único homem-bomba, embora não descarte a possibilidade de serem mais.
O ataque suicida contra a Igreja em Peshawar foi assumido pela nova facção talibã, a Junood ul-Hifsa. Ao mesmo tempo que anunciam sua criação, ameaçam matar estrangeiros e vingar os ataques americanos contra a Al-Qaeda na fronteira com o Afeganistão. “Cometemos o atentado suicida na igreja de Peshawar e continuaremos atacando os estrangeiros e não muçulmanos até que parem os ataques de drones”, explicou Ahmad Marwat, porta-voz do grupo.
Nesta segunda, cristãos em diferentes cidades do Paquistão, protestaram contra a violência e para pedir mais proteção das autoridades. Na capital Islamabad, mais de 100 manifestantes bloquearam a principal avenida da cidade durante várias horas nesta segunda-feira. “Todo cristão está se sentindo ameaçado no Paquistão”, disse Tahir Naveed Chaudhry, advogado e presidente da Aliança das Minorias Cristãs do Paquistão.
Após as terríveis imagens do ataque se espalharam pela mídia no mundo todo, vários grupos cristãos pediram orações pelo país. O primeiro-ministro do Paquistão, Nawaz Sharif, e o Presidente Mamnoon Hussein, condenaram fortemente o ataque, mas não anunciaram nenhuma medida.

EM NOITE DE HEAVY METAL, ROCK IN RIO TEM ATÉ INVOCAÇÃO SATÂNICA

Em noite de heavy metal, Rock in Rio tem até invocação satânica
Apresentações mostram cruzes invertidas durante “missa negra”. O papa Francisco esteve no Rio de Janeiro em maio para a Jornada Mundial da Juventude. Em setembro, foi a vez de Papa Emeritus 2, vocalista da banda de heavy metal Ghost BC [Fantas Antes de Cristo]. Ele veio acompanhado de músicos encapuzados e mascarados, que formam a banda.

A plateia do show fazia os tradicionais “chifrinhos” com as mãos.  Com um visual e letras carregadas de escárnio à igreja cristã, o grupo sueco se apresentou nesta quinta (19), o quarto dia de festival e o primeiro dedicado ao heavy metal.
O Ghost BC só toca músicas marcadas por um tom macabro. Para eles cada show é uma “missa negra”. A verdadeira face dos seus integrantes é desconhecida. Apenas o vocalista tem nome, os demais integrantes são chamados de “ghouls”, ou morto-vivo em tradução livre. A maquiagem carregada dá um aspecto sombrio enquanto ele mostrava cruzes invertidas e invocava o demônio sobre a cidade. As letras aludem ao satanismo, catolicismo e entidades como zumbis. Muitos dos presentes usavam camisetas e até fantasias com os temas prediletos da banda.
Uma das músicas cantadas foi “Depth Of Satan’s Eyes”, que diz “Ao flamejante olhar/À luz ardente/Dos raios de satanás/À fonte de sabedoria/Além do que a Bíblia afirma/À profundidade sem fim/Dos olhos de Satanás/ Seus olhos são cativantes/Seus olhos como um redemoinho/Um poço no qual você está caindo.”
Muitos que estavam na Cidade do Rock já haviam visto a apresentação anterior, do grupo brasileiro Sepultura, que no início da carreira também usava imagens demoníacas. No palco Sunset, Rob Zombie apresentou-se com seu som pesado e letras cheias de referências ao horror e a demônios. A grande atração da noite é o Metallica, que também toca música com temas anticristãos. 

AULA DE TEOLOGIA 28 - PERÍODO TEOCRÁTICO DE ISRAEL [PARTE 2]

ARQUEÓLOGOS ENCONTRAM “CIDADE PERDIDA” MENCIONADA NOS EVANGELHOS

Arqueólogos encontram “cidade perdida” mencionada nos Evangelhos
Segundo o site acadêmico LiveScience, uma “cidade perdida”, descrita nos Evangelhos, pode finalmente ter sido encontrada. Dalmanuta é o lugar para onde Jesus partiu após ter feito a multiplicação de pães e peixes que alimentou uma multidão. O capítulo 8 de Marcos afirma: O povo comeu até se fartar. E ajuntaram sete cestos cheios de pedaços que sobraram. 

Cerca de quatro mil homens estavam presentes. E, tendo-os despedido, entrou no barco com seus discípulos e foi para a região de Dalmanuta”. Contudo, a passagem correspondente de Mateus 15:39 diz: “Tendo despedido a multidão, entrou no barco, e dirigiu-se ao território de Magadã”. Essa menção fez com que durante séculos os estudiosos pensarem se tratar da cidade que hoje é chamada de Migdal.
Também conhecida por Magdala, está situada ao noroeste do Mar da Galileia, no vale de Genesaré. O local é mais conhecido por sua associação com Maria de Magdala, apelidada de Madalena. Nessa região recentemente foi encontrada as ruínas de uma sinagoga onde Jesus teria estado e talvez pregado, segundo os especialistas.
Ken Dark, da Universidade de Reading, cuja equipe descobriu as ruinas dessa cidade defende que se trata de Dalmanuta, uma “cidade perdida” para a arqueologia. Ele e sua equipe querem comprovar a teoria por causa de uma embarcação de 2.000 anos de idade que foi encontrada na região em 1986. Até hoje é o mais famoso artefato associado à área, o famoso “barco de Jesus” poderia não ser de Magdala, mas sim da cidade vizinha de Dalmanuta. Elas ficavam a cerca de 200 metros uma da outra. Isso sugere que os dois evangelistas apontavam para a mesma região, mas não para a mesma cidade.
A exploração encontrou cerâmica antiga e uma série de fragmentos de colunas, incluindo peças esculpidas no estilo coríntio. Os testes de radio carbono permitem que muitos dos artefatos encontrados comprovem sua idade. Alguns deles, ânforas de vidro, indicam que seus antigos habitantes eram ricos. Vestígios de âncoras de pedra, juntamente com a localização próxima à praia, ideal para barcos, indicam que a população se dedicava à pesca. São as ânforas e as âncoras que ligariam a cidade ao chamado “barco de Jesus”.
barco de jesus Arqueólogos encontram cidade perdida mencionada nos Evangelhos
“Barco de Jesus”.
A teoria é apresentada na edição de setembro da revista científica Palestine Exploration. Análises do material indicam que a cidade era próspera e provavelmente sobreviveu por séculos. A data das peças de cerâmica indicam que ela existiu pelo menos entre o primeiro e o quinto século. A comunidade judaica provavelmente vivia ao lado de um povo politeísta, como indicam os fragmentos de vasos de calcário. Segundo Dark, isso seria a realidade da região no início do período de dominação romana.
Embora reconheça não ser possível a comprovação inequívoca que a cidade recém-descoberta é a Dalmanuta bíblica, para ele é um dos poucos nomes de lugares desconhecidos por pesquisadores. Além disso, está no Vale de Genesaré, um sítio arqueológico “amplamente negligenciado”. A pesquisa de Dark utilizou, além do sistema tradicional, fotos tiradas de satélites para estabelecer mudanças na topografia.
Como no campo da arqueologia tudo ocorre muito lentamente e sempre surgem questionamentos, é provável que demore alguns anos antes de as teorias da equipe do doutor Dark sejam totalmente comprovadas. 

GOVERNO SÍRIO BOMBARDEIA HOSPITAL DE CAMPANHA E MATA AO MENOS 11 PESSOAS

Aviões de guerra do governo sírio bombardearam nesta quarta-feira (11) um hospital de campanha na cidade de Aleppo, deixando pelo menos 11 mortos de acordo com o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).
Segundo o órgão, dezenas de outros pacientes também ficaram feridos após mísseis atingirem a instalação. Um médico do Iêmen estaria entre os mortos do ataque aéreo de acordo com relatos de ativistas no local.
O regime do presidente da Síria, Bashar al-Assad, se baseia fortemente em seu poder aéreo para tentar recuperar o controle do território que perdeu para a oposição. Ele já abateu supostos alvos rebeldes com aviões de guerra e helicópteros especialmente na região Norte do País, onde a oposição controla grandes porções de terra e partes de Aleppo, maior cidade síria.
No entanto, a situação de Assad está cada vez mais delicada. Isso porque o governo do presidente dos EUA, Barack Obama, e seus aliados consideram que o ditador foi responsável por um ataque químico realizado contra redutos rebeldes próximos a Damasco em 21 de agosto. Segundo autoridades norte-americanas, o ataque deixou mais de 1,4 mil mortos , incluindo mais de 400 crianças.

CRISTÃOS PERDOAM MUÇULMANOS QUE QUEIMARAM SUA IGREJA

Cristãos perdoam muçulmanos que queimaram sua igreja
A cidade de Minya foi uma das mais afetadas durante a nova onde de perseguição contra a Igreja no Egito. Desde agosto, os cristãos vêm sofrendo os piores ataques dos últimos 700 anos, apontam especialistas. Contudo, muitos desses ataques estão sendo respondidos com o amor de Cristo.
Dezenas de igrejas coptas e católicas foram queimadas em todo o país. Imagens do seu interior, mostradas pela rede de TV CBN, apresentam uma visão desoladora. El Amir Tadros, uma igreja centenária, foi completamente destruída e não é seguro entrar nela. A única opção é demolir o prédio e construir outro.
Nas duas últimas semanas, essa igreja vem realizando seus cultos às 6:30 da manhã, dentro de uma tenda de lona colocada do lado de fora do terreno. Na classe de escola dominical os alunos estão aprendendo sobre Teodoro do Shateb, um comandante romano que se converteu ao cristianismo e foi martirizado em 313. Ele é uma figura popular na tradição copta e inspirou o nome da igreja.
“Nesses dias eu acho que as crianças estão tendo uma lição de vida”, disse a professora Marka William à CBN News. ”Eles veem a sua igreja queimada. Eles sabem como são tratados todos os dias. Eles nos veem perdoar os nossos inimigos. Nós respondemos como todos os outros cristãos respondem. Estamos no Egito para servir. Estamos aqui para demonstrar o amor cristão. Fazemos todos os esforços para não revidar e mostrarmos o amor que o Senhor nos ensinou”.
Em Minya, os radicais muçulmanos também atacaram e destruíram um orfanato copta chamado Soldados de Cristo. Mais de 200 crianças ficaram sem abrigo. No dia seguinte, os cristãos que administram o orfanato deixaram uma mensagem no muro em frente ao local: “Vocês quiseram nos ferir, mas nós perdoamos vocês. Deus é amor. Tudo coopera para o bem…” Em outro muro escreveram: “Amai os vossos inimigos”.
É verdade que nem todos os muçulmanos estão tentando eliminar os cristãos da cidade. Os ataques foram ordenados pela Irmandade Muçulmana, o grupo politico e religioso culpa os cristãos de “conspirarem” para a derrubada do presidente Mohammed Mursi em julho.
Embora continuem vivendo sob ameaças, os cristãos de Minya prometem continuar seus ministérios. Eles dizem que os prédios foram destruídos, mas a Igreja de Cristo continua de pé. Reafirmam sua fé em Jesus, que prometeu que edificaria a Sua Igreja.
Ezzrat Ibrhim, que trabalha para a comissão de direitos humanos da ONU no Egito, explica: “Antes de atacar propriedades dos cristãos, sejam casas, lojas, escolas, carros ou templos, fazem um X com tinta preta. No dia seguinte saqueiam e queimam os locais marcados. Isso mostra que é tudo planejado antes”.

TU ÉS MINHA ESPERANÇA NO DIA DO MAL

Tu és a minha esperança no dia do mal.” (Jeremias 17.17)
O caminho do cristão nem sempre brilha com a luz do sol; ele tem as suas épocas de trevas e de tempestades. É verdade que está escrito na Palavra de Deus, “Os seus caminhos são caminhos de delícias, e todas as suas veredas são paz”, e é uma grande verdade, que a fé que professamos é projetada para dar ao homem a felicidade abaixo, bem como a bem-aventurança acima, mas a experiência nos diz que, o caminho do justo é “como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito”, mas, por vezes, a luz é eclipsada.
Em certos períodos as nuvens cobrem o sol do cristão, e ele caminha nas trevas e não vê a luz. Há muitas pessoas que se alegram na presença de Deus por uma temporada, eles têm se aquecido ao sol nos primeiros estágios de sua carreira cristã; têm andado ao longo dos “verdes pastos”, junto das “águas tranquilas”, mas de repente, eles constatam que o céu glorioso está nublado; em vez da Terra de Gósen eles têm que trilhar o deserto arenoso; no lugar de água doce, eles encontram fluxos de tribulação, amargos para o seu gosto, e dizem: 

“Certamente, se eu fosse um filho de Deus, isso não estaria acontecendo.” Oh! Não fale assim, você não está andando nas trevas. O melhor dos santos de Deus deve beber o absinto, o mais querido de seus filhos deve carregar a cruz. Nenhum cristão tem desfrutado de prosperidade perpétua, nenhum crente tem sempre guardado a sua harpa dos salgueiros. 

Talvez o Senhor lhe tenha designado em primeiro lugar um caminho suave e sem nuvens, porque você era fraco e tímido. Ele abrandou o vento para o cordeiro tosquiado, mas agora que você está mais forte na vida espiritual, você deve ter a experiência mais áspera dos filhos maduros de Deus. Precisamos de ventos e tempestades para exercitar nossa fé, para arrancar o galho podre da auto-dependência e nos enraizarmos mais firmemente em Cristo. O dia do mal nos revela o valor da nossa gloriosa esperança.

PESQUISA AFIRMA QUE MAIORIA DOS EVANGÉLICOS ACREDITA QUE ESTAMOS VIVENDO NO FIM DOS TEMPOS

Maioria dos evangélicos acredita que estamos vivendo no fim dos tempos
A teologia gerada nos Estados Unidos ainda é a mais influente do mundo, em geral influencia rapidamente os pregadores brasileiros. De acordo com a pesquisa publicada esta semana pelo Instituto de Pesquisas Religiosas do Grupo Barna, as guerras em andamento e a ameaça de invasão militar estrangeira na Síria tem mexido com a percepção sobre a proximidade do fim do mundo.
Cerca de 41% dos norte-americanos acreditam que o mundo já está vivendo os acontecimentos previsto pela Bíblia sobre o fim dos tempos. O índice é maior (77%) entre os membros de igrejas mais contemporâneas, que não fazem parte das denominações seculares. Entre os protestantes mais tradicionais é de apenas 54%.
O Grupo Barna diz que usou métodos científicos de pesquisa por amostragem, com um nível de confiança de 95%. A margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. A pergunta feita aos entrevistados era: “Você, pessoalmente, acredita que o mundo está vivendo atualmente o ” fim dos tempos”, conforme descrito por profecias na Bíblia?” Depois, era questionado qual era a sua afiliação religiosa. Os católicos mostraram uma posição diferente, com 73% dizendo que não acreditava.
O teólogo James F. Fitzgerald, especializado no estudo de profecias, comentou os resultados para a revista evangélica Charisma. “Até eu fiquei surpreso com os resultados, os percentuais são maiores do que eu podia imaginar”, diz ele que acaba de lançar o livro “Startling Evidence the Endtimes Have Begun” [Evidências assustadoras que o final dos tempos já começou] sobre o assunto.
“Quando comecei a escrever, não tinha certeza que as pessoas o considerariam útil ou se estariam interessadas. Mas esta pesquisa é totalmente interessante, e sei que existe mais abertura para a mensagem do meu livro que eu imaginava. Demorei sete anos pesquisando e escrevendo para publicar agora”. Ele usa como ponto de partida as mudanças ocorridas no mundo após os atentados de 11 de setembro de 2001, que resultaram em guerras no Iraque e no Afeganistão.
Concomitantemente, o jornal secular USA Today começou a publicar em 9 de setembro uma série de matérias sobre as perspectivas políticas de um ataque americano à Síria. Entre os entrevistados estão teólogos, que apontam para vários trechos das Escrituras. Nos dias seguintes, o USA Today apresentou um levantamento feito sobre a venda de material religioso e apontou que ocorreu um aumentado nas últimas semanas, desde que aumentou a tensão na Síria e no Egito.
Divulgou ainda que entre os católicos há um crescente interesse sobre o assunto por causa do filme “The Triumph”. Trata-se de um documentário sobre as profecias de uma perspectiva católica romana, abordando ainda as mudanças no Vaticano. Entrevistado pelo jornal, o teólogo Tom Lombardo ressaltou que é preciso ser cuidadoso. Segundo ele, um número crescente de pastores começaram a pregar que o mundo já está passando pela “Grande Tribulação”, evento predito pelo Livro de Apocalipse.
Lombardo lembra que crises políticas influenciam a percepção das pessoas. Ele lembra que em 1844, milhares de evangélicos se prepararam e anunciaram o fim do mundo naquele ano. O evento acabou conhecido como o “Dia do Grande Desapontamento”. Um movimento liderado pelo pastor Herbert W. Armstrong faz algo similar no final da década de 1930, quando se desenhava o cenário que resultou na 2ª Guerra Mundial. A restauração do Estado de Israel, em 1948, criou frenesi entre os teólogos, influenciando Harry Truman, presidente dos EUA na época e conhecido pela sua fé na Bíblia.
Paige Patterson, presidente do Southwestern, um dos mais influentes seminários do mundo, está igualmente cauteloso. Ele enfatiza que o estudo das profecias é importante para os cristãos, mas adverte: “Um erro comum que os cristãos cometem é tentar estabelecer um calendário… pois se falhar as pessoas podem se expor ao ridículo… Mas conhecer o que dizem as profecias do final dos tempos ajuda o cristãos a não temer certos acontecimentos e não esquecer que Cristo terá a vitória no final”.

AULA DE TEOLOGIA 27 - PERÍODO TEOCRÁTICO DE ISRAEL [PARTE 1]

SURGEM IMPORTANTES ACHADOS ARQUEOLÓGICOS NO MONTE DO TEMPLO EM JERUSALÉM

Surgem importantes achados arqueológicos no Monte do Templo em Jerusalém
Peças ajudam a resgatar a história dos judeus em local dominado por autoridades islâmicas. Arqueólogos israelenses revelaram em uma entrevista coletiva nesta segunda, a descoberta de 36 peças de ouro na Cidade Velha de Jerusalém. O anúncio foi feito no campus do Monte Scopus da Universidade Hebraica, que colocou em exibição um medalhão em ouro com um candelabro judaico entalhado e várias joias em ouro e prata que datam da época bizantina.

Responsável por liderar as escavações, a renomada arqueóloga dra. Eilat Mazar, comemorou: “É uma descoberta impressionante que só acontece uma vez na vida”. Um dos aspectos mais importantes é o fato de os objetos estarem a meros 50 metros do muro sul da Esplanada das Mesquitas, que os judeus chamam de “Monte do Templo”, local onde ficava originalmente o templo construído pelo rei Salomão.
Durante anos Mazar dedica-se a fazer escavações no local na chamada “escavação ophel”, que visa resgatar a história dos judeus na área hoje dominada por autoridades islâmicas. O complexo Ophel City Wall, está situado junto às muralhas que ladeiam o Parque Nacional de Jerusalém.
Ela afirma que mais essa descoberta de objetos antigos ajudam os judeus a comprovar arqueologicamente que o templo realmente ficava naquele local, algo negado pelos muçulmanos. O templo original foi destruído pelos babilônios no ano 586 antes de Cristo. Posteriormente, Herodes construiu um segundo templo no local, que foi destruído pelo general Tito numa invasão a Jerusalém no ano 70.
De acordo com a doutora, as novas descobertas datam do século VII depois de Cristo, e são “completamente inesperadas”. “A explicação mais provável é que (…) o local onde encontramos esse tesouro teria como objetivo destacar onde devia ser construída uma nova sinagoga, em um local próximo ao Monte do Templo”, destaca Mazar.
medalhao com menora Surgem importantes achados arqueológicos no Monte do Templo em Jerusalém
Com mais de 1.400 anos de idade, as peças são importantes e trazem contribuições para a arqueologia de Jerusalém. Segundo Mazar eles “foram abandonados no contexto da conquista persa de Jerusalém, em 614. Após a conquista de Jerusalém pelos persas, muitos judeus voltaram a esta cidade com a esperança de encontrar liberdade política e religiosa e eram a maioria da população. Mas os persas, com a decadência do seu poder, ao invés de se aliar aos judeus, procuraram o apoio dos cristãos e autorizaram estes a tirar os judeus de Jerusalém”.
O fato de o medalhão maior trazer o desenho de um menorá indica que estava ligado ao judaísmo, evidentemente. Porém, ela acredita que provavelmente era parte da decoração de uma cópia da Torá, livro da Lei lido regularmente nas sinagogas. Parece lógico, uma vez que o outro símbolo gravado no medalhão era um rolo da Torá. As 36 moedas de ouro encontrada no local podem indicar que se tratava dinheiro para, financiar a construção de uma sinagoga no local.
A doutora Mazar explica que “é um tesouro relativamente pequeno, mas contém tanta informação, e nos ensina muito… As moedas nos falam sobre um período específico… E a localização é clara, tão perto do Monte do Templo. Então, temos informações suficientes para fundamentar uma boa teoria, e relacioná-la com o que já sabemos sobre o povo judeu na época: Eles estavam ansiosos para entrar e reedificar Jerusalém.”
É mais um grande feito da doutora Eilat Mazar nos últimos meses. No início de agosto, ela descobriu um fragmento de um jarro de cerâmica com a inscrição em hebraico mais antiga já descoberta. Na mesma época encontrou as ruínas do que seria do primeiro palácio do rei Davi.
“Eu trabalho com a Bíblia em uma mão e as ferramentas de escavação na outra”, disse Mazar. “A Bíblia é a fonte histórica mais importante”, comemora.

GUERRA NA SÍRIA: MAIS CRISTÃOS DECAPTADOS E IGREJAS DESTRUÍDAS

Guerra na Síria: mais cristãos decapitados e igrejas destruídas
O papa Francisco pediu que todos os católicos romanos do mundo fizessem neste 7 de setembro um dia de oração e jejum pela paz na Síria. De maneira surpreendente, pediu que as pessoas de todas as religiões se juntassem à iniciativa. Deixou o convite aberto à todas as “pessoas de boa vontade”, mesmo aquelas que não têm religião.
Enquanto isso, os moradores de Maaloula, uma pequena aldeia cristã no norte de Damasco, são forçados a abandonar sua cidade. A antiga cidade fica a 50 km da capital é, possivelmente, o maior símbolo do cristianismo na Síria, no local ainda se fala aramaico, a língua de Jesus.
Nos últimos dias, 80% dos 3.000 moradores do vilarejo abandonaram suas casas e fugiram para Damasco. Desde a quarta-feira (4), grupos armados de rebeldes, muitos deles ligados aos extremistas da Al-Qaeda tomaram o local, que é considerado um dos mais antigos centros do cristianismo no mundo.
Dentro de poucas horas, a cruz que ficava na cúpula do milenar mosteiro ortodoxo foi derrubada. Igrejas foram saqueadas e queimadas, todos os cristãos foram avisados que se não se converterem ao islamismo serão mortos. Algumas dezenas já foram executados. Não é o primeiro relato de assassinato de cristãos em meio a essa guerra, mas talvez seja o mais simbólico.
O Patriarca Gregório III, da igreja Ortodoxa, lançou um apelo “à comunidade internacional, à consciência do mundo inteiro, para salvarem o pequeno vilarejo… que é um símbolo cristão muito importante da história”. Ele conta que há dois anos e meio os cristãos estão no meio dessa guerra politica-religiosa entre dois grupos muçulmanos, os alauitas, que apoia o ditador Bashar al-Assad e a maioria sunita, que tenta derrubá-lo.
Diante do cenário de guerra civil, a mídia internacional tem dado pouca atenção aos massacres de cristãos, similar ao que acontece no Egito, onde centenas de cristãos foram mortos e dezenas de igrejas, destruídas.
A conquista confirmada hoje da aldeia de Maaloula envia duas fortes mensagens ao mundo: os rebeldes estão mais próximos que nunca de tomarem a capital e os rebeldes extremistas muçulmanos tentarão eliminar os cristãos da Síria.
O avanço dos rebeldes na área foi liderado por Jabhat al-Nusra, ligado a grupos jihadistas islâmicos dentro das fileiras rebeldes. Segundo Rami Abdul-Rahman, que dirige o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, com sede no Reino Unido, a liderança da Frente de Libertação Qalamon se mudou para a aldeia, e que cerca de 1.500 rebeldes estão em Maaloula.
Segundo o jornal inglês Daily Mail, os moradores do vilarejo foram surpreendidos pela entrada de centenas de rebeldes que gritavam “Alá é grande”, enquanto atacavam casas de cristãos e igrejas durante a noite, executando pessoas no meio da rua.

Ele diz que os soldados falavam árabe com diferentes sotaques, o que indica que são extremistas tunisianos, libaneses, marroquinos e chechenos, o que comprovaria sua ligação com o grupo terrorista da Al-Qaeda. Outro cristão relatou que esses soldados rebeldes agarraram moradores e os levaram a locais públicos gritando “Ou você se converte ao islamismo ou será decapitado”.
Tropas do exército leais a Assad interditaram a estrada que liga a aldeia a capital. A agência de notícias estatal da Síria, SANA, disse que “As operações militares continuam na vizinhança de Maaloula e suas entradas” e que lutavam para reconquistá-la. Um dos grandes impasses dos EUA para um ataque à Síria é justamente o fato de soldados americanos terem de lutar ao lado do exército rebelde ligado à Al-Qaeda.
Assista: Atenção este video contem cenas fortes:

Clique no link

"QUAIS SÃO OS SINAIS DO FIM DOS TEMPOS?"

Mateus 24:5-8 nos dá algumas indicações importantes para que possamos discernir a aproximação do fim dos tempos (A VOLTA DE JESUS): “Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos. E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim. 

Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares. Mas todas estas coisas são o princípio de dores.” Um aumento de falsos messias, um aumento de guerras e aumento em fomes, pragas, desastres naturais: estes são “sinais” do fim dos tempos. Mas mesmo nesta passagem, entretanto, estamos sendo advertidos. Não devemos nos deixar enganar (Mateus 24:4), pois estes acontecimentos são apenas o “princípio de dores” (Mateus 24:8), e o fim dos tempos ainda está por vir (Mateus 24:6).


Muitos intérpretes apontam cada terremoto, cada agitação política e cada ataque a Israel como um sinal preciso de que o fim dos tempos está rapidamente se aproximando. Mesmo sendo estes eventos sinais de que o fim dos tempos se aproxima, não são necessariamente indicadores de que o fim dos tempos já chegou. O Apóstolo Paulo avisou que os últimos dias trariam um notável aumento nos falsos ensinamentos. 


“Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios” (I Timóteo 4:1). Os últimos dias são descritos como “tempos perigosos” por causa do aumento do caráter maligno do homem e pessoas que ativamente “resistem à verdade” (II Timóteo 3:1-9; veja também II Tessalonicenses 2:3).

Outros possíveis sinais incluiriam a reconstrução de um templo judaico em Jerusalém, aumentada hostilidade para com Israel e avanços para um único governo mundial. O sinal mais importante do fim dos tempos, entretanto, é a nação de Israel. Em 1948, Israel foi reconhecido como um Estado soberano pela primeira vez desde 70 d.C. Deus prometeu a Abraão que sua posteridade possuiria Canaã como uma “perpétua possessão” (Gênesis 17:8), e Ezequiel profetizou uma ressurreição física e espiritual de Israel (Ezequiel 37). Ter Israel como nação em sua própria terra é importante à luz da profecia do fim dos tempos, por causa da distinção de Israel na escatologia (Daniel 10:14; 11:41; Apocalipse 11:8).

Tendo em mente estes sinais, podemos ser sábios e discernir em relação à expectativa do fim dos tempos. Não devemos, entretanto, interpretar qualquer destes eventos únicos como uma clara indicação da iminente chegada do fim dos tempos. Deus nos deu informações suficientes para que possamos estar preparados, mas não informação suficiente para que nos tornemos arrogantes.



Nota:
Conforme estudo acima temos argumentos sólidos para acreditar que o termino deste tempo está chegando. Estamos próximos da Gloriosa volta de Cristo Jesus nosso Senhor que virá assunto aos céus buscar a sua igreja santa, pura e imaculada que não se prostituiu e se contaminou com os prazeres deste mundo, onde o império das trevas está estabelecido. Podemos ver claramente o aumento do poder demoníaco imperando através das pessoas, abuso de poder, perseguição aos cristãos, apostasia, falsos cristos, amor ao dinheiro e outras coisas mais. Tão certo como o sol vai nascer amanhecendo um outro dia, tão certo será a Volta de Jesus! Maranata        

Justo pelo Sangue de Cristo

PORQUE OS MURMURADORES NÃO VENCEM?

murmurador
Quando Israel saiu do Egito, eles começaram a marchar em direção à terra prometida. No primeiro desafio, o Mar Vermelho, o povo começou a reclamar, alegando que iriam morrer, porque não teriam escapatória e Faraó iria liquidá-los. Então Moisés começa a orar e Deus o ordena que pare de orar e prosseguissem, marchassem porque ELE abriria o Mar.
Depois que Deus operou o extraordinário milagre, fazendo Israel atravessar o Mar Vermelho, o povo do outro lado começou a reclamar que não existia água boa para eles beberem. Então Deus mostrou para Moisés um lenho, e orientou Moisés a lançá-lo nas águas amargas, e, estas águas se tornaram doces, impressionante!
Pois bem, Deus provou por diversas vezes que estava com o povo, que daria tudo o que eles precisassem, porém mesmo assim o povo murmurava diante dos desafios, diante das dificuldades, mesmo DEUS trazendo o suprimento, fazendo o povo vencer todas as dificuldades.
No final da peregrinação no deserto, DEUS dirá à Moisés que os murmuradores não entrarão na terra prometida. Pensando no motivo pelo qual Deus tomou esta decisão, eu cheguei não a um, mas a vários motivos pelos quais os murmuradores não chegam em lugar algum em suas vidas, analisemos:

O Murmurador Nunca Exalta o Milagre, Ele só Consegue Exaltar o Problema

Moisés ordenou que 12 pessoas fossem espiar a terra prometida, e, eles voltaram felizes com o que viram, uma terra muito boa. Só para você ter uma ideia, era necessário dois homens para carregarem um cacho de uva (Nm 13.23), já imaginou o tamanho de cada uva?
Mas no meio do caminho, enquanto eles voltaram comentando sobre o tamanho do cacho de uva, sobre as delícias que viram naquela terra, alguém teve a incrível ideia de dizer: É, mas não se iludam, vocês viram o tamanho dos homens daquela terra, acham mesmo que é só entrar e a terra é nossa? Nós teremos que batalhar contra eles e eles são mais fortes do que nós!
E foi através de um comentário como este, que 10 daqueles 12 homens, que foram espiar a terra, foram desmotivados e começaram a ficar com medo. Isso me faz entender, que através de um comentário de um murmurador, 10 pessoas foram infectadas pelo o que eu chamo de espírito de murmuração. E é sobre este “espírito” que falaremos no próximo artigo.